A vacina é a principal forma de prevenção contra o HPV (Human papillomavirus). Todas as meninas, entre 9 e 14 anos, e, em 2017, os meninos entre 11 e 14 anos devem ser vacinados, por orientação do Ministério da Saúde. No total, duas doses devem ser aplicadas. A rede pública de saúde oferece gratuitamente as vacinas durante todo o ano.

As meninas e meninos não necessitam de autorização ou acompanhamento dos pais nos postos de saúde. Basta que apresentem um documento de identificação ou a carteira de vacinação.

Os adolescentes estarão protegidos contra diversos tipos de câncer (entre eles, colo de útero, pênis, ânus e boca) quando iniciarem suas vidas sexuais, ou seja, a vacina visa proteger os jovens antes de iniciarem a vida sexual, portanto, antes de terem contato com o HPV.

Digite abaixo a data da primeira dose da vacina e clique em calcular
para saber quando tomar a próxima dose.

Fique atento às datas!

Para meninos e meninas:

Para jovens que vivem com HIV de 9 a 26 anos:

Próxima dose:

Você sabe?

O que é HPV?

O Papilomavirus Humano (Human papillomavirus), conhecido também como HPV (Human Papillomavirus), é um vírus comum de fácil disseminação e que se instala na pele e mucosas de homens e mulheres.

Existem mais de 200 tipos de HPV, sendo 13 oncogênicos. Quatro tipos são mais frequentes e causam a grande maioria das doenças relacionadas à infecção, que podem causar desde verrugas até cânceres. Os HPV tipos 16 e 18 são responsáveis por 70% dos casos de câncer do colo útero; os tipos 6 e 11 por 90% das verrugas anogenitais.

A vacina distribuída pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é do tipo quadrivalente, que protege contra quatro tipos de HPV (6, 11, 16 e 18), ou seja, abrange os dois principais tipos responsáveis por câncer de colo de útero e daqueles responsáveis pelas verrugas genitais.

O que é câncer de colo de útero?

Câncer de colo de útero é uma doença de evolução lenta e silenciosa: leva muitos anos para aparecer e raramente apresenta sintomas.

O câncer é caracterizado pelo crescimento desordenado (maligno) de células do colo do útero, que podem invadir outros tecidos e órgãos e espalhar-se para outras regiões do corpo. O principal agente causador é o HPV (Papilomavírus Humano). O câncer de colo de útero é uma doença grave que pode levar ao óbito. No mundo, acontecem 530 mil novos casos por ano e 265 mil óbitos. No Brasil, a estimativa é de 16 mil novos casos em 2016, sendo o terceiro tipo de câncer mais frequente nas mulheres.

Existem várias formas de prevenir o HPV. A mais eficiente é a vacinação de jovens e adolescentes de 9 a 13 anos de idade. Além disso, o uso de preservativos nas relações sexuais pode diminuir o risco de adquirir o vírus e, consequentemente, evitar o aparecimento de câncer.

Para prevenir o câncer de colo de útero, é importante, ainda, realizar o exame preventivo (Papanicolau) periodicamente após o início da vida sexual. Esse exame pode detectar lesões que podem se transformar em câncer, se não forem tratadas. É um exame simples, indolor e que pode salvar vidas.

Quando a doença é diagnosticada em estágios mais avançados, pode ser necessária a realização de cirurgia para retirar uma parte do colo ou todo o útero, ou, ainda, tratamento com radioterapia.

Mortalidade

  • Cerca de 5,4 mil óbitos em 2016

  • 4ª causa de morte por câncer entre as mulheres

  • Cinco principais causas e morte por câncer entre mulheres. Brasil, 2014

    Câncer do colo de útero - faixa etária:

    Mais prevalente em mulheres a partir dos 60 anos

    *Estimativa do Inca

    *Taxa por 100 mil habitantes

    Como o HPV é transmitido?

    A transmissão do HPV ocorre por meio do contato direto com a pele ou mucosa infectada. Na maioria das vezes, a transmissão se dá através da relação sexual desprotegida, que inclui contato oral-genital, genital-genital ou mesmo manual-genital. Assim sendo, o contágio com o HPV pode ocorrer mesmo na ausência de penetração vaginal ou anal.

    No entanto, pode ocorrer, também, através do contato com mãos, objetos, toalhas e roupas contaminadas com secreção apresentando vírus vivo. Raramente, também pode ser transmitido de mãe para filho, durante o parto. Não há tratamento específico para eliminar o vírus.

    Como já é a oferta da vacina contra HPV

    Uma novidade no calendário vacinal de 2017, a vacina contra o HPV para meninos também seguirá o esquema de duas doses, com seis meses de intervalo entre elas. Para os que vivem com HIV, a faixa etária é mais ampla (9 a 26 anos) e o esquema vacinal é de três doses (intervalo de 0, 2 e 6 meses). No caso dos portadores de HIV, é necessário apresentar prescrição médica.

    A vacina disponibilizada para os meninos será a quadrivalente, que já é oferecida desde 2014 pelo SUS para as meninas. Confere proteção contra quatro subtipos do vírus HPV (6, 11, 16 e 18), com 98% de eficácia para quem segue corretamente o esquema vacinal. Vale ressaltar que os cânceres de garganta e de boca são o 6º tipo de câncer no mundo, com 400 mil casos ao ano e 230 mil mortes. Além disso, mais de 90% dos casos de câncer anal são atribuíveis à infecção pelo HPV.

    A definição da faixa-etária da vacina HPV para os meninos tem como objetivo proteger as crianças antes do início da vida sexual e, portanto, antes do contato com o vírus.

    • 2017 – meninos de 11 e 14 anos

    A vacina é a principal forma de prevenção contra o HPV (Human papillomavirus).

    DIVE - Diretoria de Vigilância Epidemiológica
    Rua Esteves Júnior, 390 - 1º andar - Centro - CEP 88015-130 - Florianópolis/SC

    Fone: (48) 3664-7400 - FAX: (48) 3664-7498
    www.dive.sc.gov.br