Mesmo com pandemia de coronavírus, vacinas continuam disponíveis para população

O Ministério da Saúde (MS) já confirmou o início da Campanha Nacional de Vacinação contra a influenza (gripe) para a próxima segunda-feira, dia 23 de março. A campanha normalmente começa no mês de abril, mas neste ano, justamente por conta da pandemia do novo coronavírus, foi antecipada. A medida é uma estratégia do Governo Federal para facilitar o trabalho das equipes de saúde no diagnóstico da COVID-19. Isso porque seus sintomas são muitos semelhantes aos da gripe.

Além da vacina contra a gripe, há outras doses importantes no calendário vacinal dos catarinenses, como a imunização contra o sarampo e a febre amarela. A gerente de imunização da Secretaria de Estado da Saúde, Lia Quaresma Coimbra, salienta que uma série de recomendações precisarão ser tomadas pelos postos de saúde. “Encaminhamos para as regionais de saúde uma nota com recomendações e orientações do Ministério da Saúde sobre como realizar a vacinação e prevenir a disseminação da COVID-19”, explica.

Ações para evitar aglomerações

O documento reforça que as secretarias municipais de saúde e a rede de serviços de Atenção Primária à Saúde/Estratégia Saúde da Família devem estabelecer parcerias locais a fim de descentralizar o máximo possível a vacinação para além das Unidades Básicas de Saúde (UBS). “O objetivo é evitar aglomerações e ao mesmo tempo vacinar o maior número de pessoas entre o público-alvo da campanha”, explica Lia.

Além disso, a nota orienta que as UBS mantenham horário estendido, se possível ampliem a força de trabalho para vacinação a fim de evitar filas, além de disponibilizar um local específico para vacinação dos idosos, pessoas com comorbidades, gestantes e puérperas, separados do local de vacinação direcionado aos demais grupos. Caso não seja possível, as unidades definir filas diferenciadas para a vacinação desses grupos.

Na porta de entrada do local de vacinação recomenda-se disponibilizar locais para higienização das mãos ou ofertar dispenser com álcool em gel na concentração de 70%, para facilitar a higienização das mãos dos profissionais e população que buscar a vacinação em locais de destaque, assim como disponibilizar máscaras cirúrgicas para eventuais sintomáticos respiratórios.

É imprescindível que a população também faça a sua parte e cubra a boca ao tossir ou espirrar com a face interna do cotovelo ou com um lenço descartável (etiqueta da tosse), e não esqueça de lavar as mãos com frequência. O contato próximo, por meio do aperto de mão, beijo e abraço, principalmente quando estiver aguardando para receber a vacina, deve ser evitado.

“O momento é de cuidado e de atenção redobrada com a prevenção da COVID-19, mas não podemos esquecer que já temos outros vírus circulando pelo estado. A população precisa estar protegida contra eles. Por isso, seguir as orientações e se imunizar contra essas doenças ainda é o melhor caminho”, destaca Lia.

Vacina contra a gripe

Em Santa Catarina, o público alvo é de 2.271.314 pessoas e, assim como em anos anteriores, a campanha será dividida por grupos prioritários. A meta é vacinar, pelo menos, 90% de cada um dos grupos.

As etapas da Campanha de Vacinação contra a gripe serão as seguintes:

1ª fase (a partir do dia 23/03): idosos com 60 anos ou mais e trabalhadores da saúde;

2ª fase (a partir do dia 16/04): professores de escolas públicas e privadas, profissionais das forças de segurança e salvamento, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais;

3ª fase (a partir do dia 09/05): crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade (5 anos, 11 meses e 29 dias), gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), povos indígenas, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional, adultos de 55 a 59 anos e pessoas com deficiência física, visual, auditiva, múltipla, intelectual e mental.

Vacina contra o sarampo

As doses da vacina contra o sarampo estão disponíveis nos postos de saúde. Devem se vacinar: bebês com seis meses de idade (tomar a dose zero da vacina); pessoas com idade entre um e 29 anos devem comprovar duas doses ao longo da vida; e adultos com 30 e 59 anos precisam comprovar apenas uma dose. Quem comprova as doses, de acordo com a sua faixa etária, não precisa repetir a vacina.

Vacina contra a febre amarela

Todos os catarinenses com mais de nove meses devem receber a imunização. Crianças até 5 anos precisam receber também uma dose de reforço. A vacina é a melhor forma de prevenir a febre amarela, doença grave e que já fez vítimas no estado.


Topo