Boletim Epidemiológico nº 13/2020 Covid-19 (SARS-COV-2) - Dados atualizados em: 11/08/2020

Visualizar em PDF

Conforme os dados analisados até o dia 11 de agosto de 2020 o Brasil registrou 3.109.618 casos confirmados e 103.068 óbitos por COVID-19 mantendo-se na segunda colocação entre os países com maior número de casos no mundo, atrás somente dos Estados Unidos. Ao avaliarmos o cenário da pandemia entre as unidades da federação (UF) o Estado de Santa Catarina está na 18ª posição no ranking nacional, se comparado o número de casos por 100 mil habitantes (taxa de incidência) em relação a outros estados, na frente do estado de São Paulo, considerado o epicentro da doença no país.

Em Santa Catarina foram contabilizados 109.531 casos de COVID-19, estes casos registrados incluem também pessoas que são residentes em outros estados e foram diagnosticados e notificados em Santa Catarina. Todos os indicadores têm apresentado aumentos ao longo das semanas, demonstrando que a epidemia no estado ainda não estabilizou e segue ascendendo, a taxa de incidência passou de 1.241 casos/100 mil habitantes para 1.529 casos/100 mil habitantes no intervalo da semana de 03 de agosto à 11 de agosto de 2020. Os óbitos contabilizados entre os residentes no estado somam 1.622 casos com uma taxa de mortalidade que teve um aumento de 13,4 casos/100 mil habitantes para 16,7 casos/100 mil habitantes. Observando a distribuição dos casos notificados, segundo a data de início dos sintomas, percebesse um maior número absoluto de casos nos dias referentes ao mês de julho, representando 57,09% do total de casos desde o começo da pandemia. Os casos registrados até 11 de agosto somam 5.860 casos (5,35%) e em julho no mesmo período somaram 20.628 casos registrados, esta comparação de períodos indica que o mês de agosto está mostrando uma tendência a um menor número de casos se comparados a julho. No entanto, antes do encerramento do mês vigente é necessário parcimônia na interpretação destes dados.

Ao analisar os indicadores por faixa etária, considerando números absolutos e a distribuição percentual para cada idade, observa-se que os grupos mais acometidos pela infecção da COVID-19 permanecem na faixa etária de 30 a 39 anos (25,5%), seguido pelas pessoas com idades entre de 20 a 29 anos (21,2%). Nota-se que nestas mesmas faixas etárias o percentual de pessoas que vão a óbito é de 3,0% e 1,0%, respectivamente. Ao analisar os grupos que compõem as faixas etárias mais avançadas observa-se que o percentual de infectados é mais baixo, quando comparados as faixas etárias mais jovens, no entanto o percentual de óbitos e a taxa de letalidade são elevados. Por exemplo, na faixa etária entre 80 e 89 anos os infectados representam 1,2% do total de casos de COVID-19, porém o percentual de óbitos é de 20,2%, e uma taxa de letalidade de 25,5%. De forma similar ocorre nas faixas de idade de 70 a 79 anos e em indivíduos com mais de 90 anos. Em relação ao sexo dentre as pessoas infectadas as mulheres apresentam um percentual maior que os homens, representando 52,7% do total de casos registrados.   

 



Topo