Boletim Epidemiológico nº 22/2020 Covid-19 (SARS-COV-2) - Dados atualizados em: 13/10/2020

Visualizar em PDF   

O Brasil registrou 5.114.823 casos confirmados por COVID-19, a média móvel de casos novos é de 20.553 por dia no país, apontando queda em relação aos casos diários registrados nos últimos 14 dias e entre os óbitos foram 151.063 casos. Ao avaliarmos o cenário da pandemia entre as unidades da federação (UF) o Estado de Santa Catarina ocupa a 12ª posição, segundo a taxa de incidência bruta (3.188 casos/100 mil hab.), a maior taxa de incidência entre os estados da região Sul do país. 

Em Santa Catarina um total de 228.043 casos foram confirmados para COVID-19, destes 221.782 casos são de pessoas que residem no Estado. Com a nova atualização no número de infectados a taxa de incidência de residentes no estado atingiu 3.095,4 casos/100 mil habitantes e os óbitos contabilizados entre os residentes em Santa Catarina somam 2.927 casos com uma taxa de mortalidade de 40,85 casos/100 mil habitantes. O mês de julho se mantém como o mês que apresentou o maior número de casos confirmados em um único mês com 92.074 casos confirmados correspondente a uma média de 3.000 casos diários, representando 40,31% do total de confirmados no Estado. Analisando os casos no mês de agosto foram registrados metade dos casos de julho, totalizando 52.778 pessoas infectadas e uma média de 1.759 casos diários. Já o mês de setembro foram registrados 27.414 casos da doença (12,0%), com uma média móvel de 913,8 casos/dia e até a presente data o mês de outubro registrou 5.783 casos confirmados.  

As evidências sugerem que a idade avançada é o preditor mais importante para evolução a óbito entre os infectados com COVID-19. Entre os pacientes infectados com SARS-CoV-2, várias condições estão associadas ao aumento da suscetibilidade ao vírus e elevada carga de COVID-19. Como as comorbidades geralmente aumentam com o envelhecimento, a população idosa pode, por sua vez, apresentar COVID-19 mais grave. O próprio envelhecimento tem sido fortemente associado a piores desfechos, devido às alterações fisiopatológicas que caracterizam o sistema respiratório (Libertini et al, 2019). Com base nos dados epidemiológicos atuais, os pacientes infectados com SARS-CoV-2 com idade > 70 anos apresentam maior risco de morte em comparação com pacientes mais jovens no Estado de Santa Catarina. 

Os grupos mais acometidos pela infecção da COVID-19 é a faixa etária de 30 a 39 anos (25,4%), seguido pelas pessoas com idades entre de 20 a 29 anos (20,8%). Nota-se que nestas mesmas faixas etárias o percentual de pessoas que evoluem a óbito é de 2,3% e 0,9%, respectivamente. Ao analisar os grupos que compõem as faixas etárias mais avançadas, observa-se que o percentual de infectados é mais baixo, no entanto, o percentual de óbitos e a taxa de letalidade são elevados. Na faixa etária entre 80 e 89 anos os infectados representam 1,2% do total de casos de COVID-19, porém o percentual de óbitos é de 20,6%, e uma taxa de letalidade de 22,3%. De forma similar ocorre nas faixas de idade de 70 a 79 anos e em indivíduos com mais de 90 anos. Em relação ao sexo, dentre as pessoas infectadas as mulheres apresentam um percentual maior que os homens, representando 51,3% do total de casos registrados, percentuais que variara muito pouco ao longo de toda epidemia, demonstrando uma equiparidade entre os sexos quando se trata da chance de infecção. 

 



Topo