Boletim Epidemiológico nº 24/2020 Covid-19 (SARS-COV-2) - Dados atualizados em: 27/10/2020

Visualizar em PDF    

Desde o começo da pandemia, o Brasil registrou 5.440.903 casos do novo coronavírus sendo que 29.353 foram confirmados em 24h. A média móvel de novos casos na última semana foi de 23.727 por dia, uma variação de +19% em relação aos casos registrados nos últimos 14 dias, voltando a indicar aumento após um período de estabilidade. É a primeira vez desde o começo de agosto que os casos apresentam tendência de alta. Além disso, o país registrou 530 mortes pela Covid-19 em 24 horas, chegando ao total de 157.981 óbitos desde o começo da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes no Brasil nos últimos 7 dias foi de 442, a menor marca desde maio, quando estava em 437 óbitos. Entre as Unidades da Federação o Estado de Santa Catarina que se mantinha na 12ª posição entre os estados com a maior taxa de incidência do país, subiu na última semana para 11ª posição, a taxa de incidência que atingiu 3.488 casos/100 mil hab.   

Em Santa Catarina um total de 249.899 casos já foram confirmados para COVID-19 desde o começo da pandemia, destes 243.078 são de pessoas que residem no Estado. Com a nova atualização do número de infectados a taxa de incidência de residentes no estado atingiu 3.393 casos/100 mil habitantes e os óbitos contabilizados entre os residentes em Santa Catarina somam 3.058 casos com uma taxa de mortalidade de 42,7 casos/100 mil habitantes. O mês de julho apresentou o maior número de casos confirmados em um único mês, totalizando 92.473 novos casos, correspondente a uma média de 3 mil infectados por dia no Estado. Em agosto esse número caiu pela metade, totalizando 53.336 casos confirmados e uma média de 1.777 casos diários. Já o mês de setembro foram registrados 28.334 casos da doença com uma média móvel de 944 casos/dia, até a presente data o mês de outubro registrou 25.312 casos confirmados e uma média de 843,7. Estes dados nos mostram que entre os meses de julho e setembro ocorreu uma queda no número de casos por mês indicando possível desaceleração na progressão da doença no Estado. No entanto, quando avaliamos a progressão da doença entre setembro e outubro, percebe-se que o número de casos não manteve a mesma tendência de queda dos meses anteriores. 

Os grupos mais acometidos pela infecção da COVID-19 é a faixa etária de 30 a 39 anos (25,4%), seguido pelas pessoas com idades entre de 20 a 29 anos (20,9%). Nota-se que nestas mesmas faixas etárias o percentual de pessoas que evoluem a óbito é de 2,3% e 0,9%, respectivamente. Ao analisar os grupos que compõem as faixas etárias mais avançadas, observa-se que o percentual de infectados é mais baixo, no entanto, o percentual de óbitos e a taxa de letalidade são elevados. Na faixa etária entre 80 e 89 anos os infectados representam 1,2% do total de casos de COVID-19, porém o percentual de óbitos é de 20,4%, e uma taxa de letalidade de 21,2%. De forma similar ocorre nas faixas de idade de 70 a 79 anos e em indivíduos com mais de 90 anos. Em relação ao sexo, dentre as pessoas infectadas as mulheres apresentam um percentual maior que os homens, representando 51,2% do total de casos registrados, percentuais que variara muito pouco ao longo de toda epidemia, demonstrando uma equiparidade entre os sexos quando se trata da chance de infecção.

Os óbitos no estado totalizam 3.059 óbitos até o dia 27 de outubro de 2020, com taxa de mortalidade de 42,7 casos/100 mil hab. e letalidade de 1,2 O mês de agosto registrou o maior número de óbitos desde o começo da pandemia com 1.052 óbitos correspondendo a 36,8% de todos os óbitos ocorridos até o momento, em média foram a óbito 35 pessoas por dia no Estado no referido período. Os gráficos 9 e 10 mostram a distribuição por semana epidemiológica, a semana epidemiológica 31 encerrou em 312 óbitos (em média 43 óbitos/dia) e na SE 32 foram registrados 278 óbitos (em média 39 óbitos/dia), sendo estes os maiores números de óbitos por semana já registrados. A partir da SE 32 observa-se uma queda gradual nas semanas subsequentes no número de óbitos computados no estado.

 



Topo