Agentes Comunitários de Saúde recebem capacitação para atuar no combate ao mosquito Aedes aegypti nos municípios infestados

Nesta sexta-feira, dia 8, foi realizada a webconferência de capacitação dos Agentes Comunitários de Saúde que atuam nos 28 municípios considerados infestados pelo mosquito Aedes aegypti, transmissor dos vírus da dengue, febre de chikungunya e zika. Esses profissionais atuarão nas visitas aos 400 mil imóveis existentes nas áreas infestadas, em inspeções que serão iniciadas na próxima semana, sob a coordenação das Salas de Situação municipais que estão sendo criadas nesses municípios.

As visitas serão realizadas durante todo o primeiro semestre do ano, conforme definição do Plano Estadual de Intensificação das Ações de Mobilização e Combate ao Mosquito Aedes aegypti. O primeiro ciclo deverá ocorrer até o dia 12 de fevereiro e, o segundo, até 11 de março, com repetições bimestrais entre a segunda quinzena de março e junho de 2016.

A capacitação foi conduzida por João Fuck, coordenador do Programa Estadual de Controle à Dengue e porta-voz da Sala de Situação estadual; e por Lizete Contin, gerente de Coordenação da Atenção Básica da Secretaria de Estado da Saúde. “Os agentes comunitários de saúde têm um papel muito importante nas ações que iremos desencadear daqui para a frente, para reduzirmos os índices de infestação e os riscos de transmissão dessas doenças”, enfatizou João, que detalhou sobre todos os possíveis criadouros do mosquito existentes dentro e fora das residências e em outros locais que precisarão ser vistoriados, como estabelecimentos comerciais, hospitais, creches e condomínios, e como eles devem agir para orientação e eliminação desses locais. “Vocês não estarão sozinhos nessa ação. São várias secretarias e órgãos envolvidos”, ressaltou, referindo-se ao apoio das equipes da Defesa Civil, do Corpo de Bombeiros e do Exército.

“Vivemos, hoje, um momento diferenciado, de possível epidemia dessas doenças; e, por isso, nosso trabalho estará direcionado para a identificação e eliminação dos possíveis criadouros do mosquito nesse período”, destacou Lizete.  Participou, também, da webconferência, o teleconsultor do Telessaúde SC para o e-SUS, Carlos Alberto Vale da Costa, apoio à coordenação de acompanhamento e avaliação da Gerência de Atenção Básica. A webconferência foi realizada em parceria com o Núcleo Telessaúde SC, que disponibilizou a sala virtual e publicará todo o material da capacitação no seu site: www.telessaude.sc.gov.br, na aba webconferência.

Durante as visitas, os agentes comunitários de saúde prestarão orientações de prevenção aos moradores e farão o recolhimento de pequenos recipientes inservíveis, que podem servir de criadouros ao mosquito, como garrafas, lixo, pratinhos de plantas, pneus velhos, entre outros. Recipientes de difícil acesso, como calhas, lajes e caixas d´água serão identificados para uma vistoria posterior a ser realizada em parceria com o Corpo de Bombeiros. Equipes de agentes comunitários de endemias farão o tratamento químico desses potenciais recipientes não-elimináveis, como caixas d´água sem cobertura e lajes que não podem receber drenagem. Os imóveis que estiverem fechados deverão ser revisitados. A inspeção deverá incluir os terrenos baldios e as praças públicas.

Clique aqui para assistir a webconferência: "Orientações para a visita domiciliar dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) voltada para eliminação do mosquito Aedes aegypti".

 

 


Topo