Nota Técnica normatiza o procedimento pós-exposição ao HIV em Santa Catarina, que passa a ser único para todas as situações de risco

As situações que envolvem risco para a infecção pelo HIV são consideradas uma emergência médica e, por isso, as medidas profiláticas devem ser adotadas o mais rapidamente possível. O alerta consta na Nota Técnica Nº 01/ 2016, publicada esta semana pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde (Dive/SES/SC), que trata da ampliação e da simplificação da chamada Profilaxia Pós-Exposição (PEP).

A PEP é uma forma emergencial de prevenção da infecção pelo HIV que deve ser iniciada, preferencialmente, nas primeiras duas horas, ou​, no máximo, em até 72 horas após exposição, ​ e ser continuada por 28 dias, sempre com orientação médica.

A partir de agora, o tratamento passa a ser único para todas as situações: acidente ocupacional, violência sexual e relação sexual consentida. Outras novidades são a redução do tempo de acompanhamento dos pacientes de seis para três meses e o estabelecimento de critérios objetivos para indicação de PEP. Essas medidas simplificarão a prescrição da profilaxia.

“A PEP não pode ser usada por qualquer pessoa. Somente o médico pode avaliar o contexto do caso, considerando o risco do paciente estar ou não infectado pelo HIV, a gravidade da exposição e o potencial benefício da medicação antirretroviral. Porém, a partir de agora, com a unificação da PEP em um esquema único de medicamentos, o atendimento será agilizado e estará mais acessível à população”, afirma a médica infectologista Ana Paula Bertuol, titular da Gerência de Vigilância das DST/Aids e Hepatites Virais da Dive/SC.

A Nota Técnica está baseada no Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Profilaxia Antirretroviral Pós-Exposição de Risco à Infecção pelo HIV (PCDT-PEP), publicado pelo Ministério da Saúde em julho do ano passado. O principal objetivo é ampliar as formas de intervenção para evitar novas infecções pelo HIV.

Disponível desde a década de 1990 no Sistema Único de Saúde (SUS), a PEP foi inicialmente implantada como prevenção aos profissionais de saúde. O procedimento era utilizado apenas em casos de acidentes de trabalho, em que os profissionais eram expostos a materiais contaminados ou que tiveram a luva perfurada por objetos cortantes no trato com paciente soropositivo.

Em 2011, a PEP foi estendida para vítimas de violência sexual e, em 2012, a profilaxia foi ampliada a qualquer acidente sexual, como o não uso ou o rompimento do preservativo.

Clique aqui e confira a Nota Técnica na íntegra.

Informações adicionais à imprensa:
Letícia Wilson / Patrícia PozzoNúcleo de Comunicação
Diretoria de Vigilância Epidemiológica
Secretaria de Estado da Saúde
(48) 3664-7406
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.


Topo