Campanha conscientiza para ações de prevenção ao mosquito Aedes aegypti em obras e construções do Estado

“Vamos construir um ambiente livre do Aedes aegypti” é o título da campanha de conscientização promovida pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Santa Catarina (CREA-SC) com apoio da Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde de Santa Catarina (Dive/SES/SC). Serão distribuídos cartazes informativos sobre a atenção à formação de possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, da zika e da chikungunya, nos canteiros de obras. As visitas orientativas às obras serão feitas por profissionais e fiscais do Conselho.

A ação prevê, ainda, a realização de palestras, prioritariamente nas regionais do CREA/SC que abrangem os 28 municípios considerados infestados pelo mosquito. A primeira palestra acontecerá em Chapecó no dia 22 de fevereiro, às 17h na sede da ACIC, com apoio do Siticom, do Sinduscon, ACIC e FIESC. “As palestras serão realizadas também em Florianópolis, Itajaí, Joinville, São Lourenço do Oeste, São Miguel do Oeste e Xanxerê, e têm o objetivo de conscientizar os trabalhadores envolvidos na construção civil, bem como os engenheiros e construtores responsáveis por estes canteiros de obras”, explica a engenheira civil Caroline Burtet, assessora de Relações Institucionais do CREA-SC.

“Os poços de elevadores, por exemplo, são os locais que requerem mais atenção nos canteiros de obras, pois costumam acumular água parada, tornando-se um ambiente propício para a proliferação do mosquito”, enfatiza Suzana Zeccer, titular da Gerência de Vigilância de Zoonoses e Entomologia da Dive/SC e coordenadora da Sala de Situação Estadual para o combate ao Aedes aegypti.

Os materiais trazem inciativas simples que ajudam a prevenir a proliferação do mosquito, tais como: evitar o acúmulo de água em poços de elevadores, fundações, lajes e calhas; manter caixas e reservatórios de água tampados; manter betoneiras secas e de cabeça para baixo quando não estiverem em uso; guardar lonas em locais secos e quando em uso esticadas para evitar formação de bolsões de água; entre outras.

Clique aqui e veja o cartaz.

 Informações adicionais à imprensa:

Letícia Wilson / Patrícia Pozzo
Núcleo de Comunicação
Diretoria de Vigilância Epidemiológica
(48) 3664-7406

 


Topo