Número de focos de Aedes aegypti identificados em Santa Catarina supera o registrado no mesmo período do ano passado

De 01 de janeiro a 08 de abril deste ano, 4.518 focos do mosquito Aedes aegypti foram identificados em Santa Catarina, em 116 municípios, exatamente 300 focos a mais do que o registrado neste mesmo período em 2016. Desses municípios, 55 são considerados infestados. Os dados constam no Boletim Epidemiológico n° 08/2017 - Vigilância entomológica do Aedes aegypti, e situação epidemiológica da dengue, febre de chikungunya e zika vírus em Santa Catarina, divulgado nesta terça-feira, dia 18, pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina (Dive/SC).

“Ainda percebemos diversas condições propícias para a reprodução do Aedes aegypti no ambiente. O excesso de chuva é outro agravante, já que aumenta o risco do acúmulo de água e potenciais criadouros”, alerta João Fuck, coordenador do Programa de Controle da Dengue em Santa Catarina, vinculado à gerência de Zoonoses da Dive/SC.

Neste mês de abril, os municípios considerados infestados realizarão o Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa), para identificação do tipo e quantidade de depósitos encontrados que possam ser potenciais criadouros do mosquito nos imóveis vistoriados. O LIRAa prevê a vistoria de uma amostra de 20% do total de imóveis existentes no município e calcula o índice de infestação considerando imóvel com larva de Aedes aegypti/100 imóveis. O levantamento é realizado anualmente nos meses de abril e novembro, por orientação da Estratégia Operacional para Prevenção e Controle da Dengue, Febre de Chikungunya e do Zika Vírus no estado de Santa Catarina.

Em relação às doenças transmitidas pelo mosquito, o boletim aponta que, dos 1.284 casos suspeitos notificados de dengue neste período, cinco foram confirmados - dois autóctones, com transmissão dentro de Santa Catarina; um importado, transmissão fora do estado; e dois permanecem em investigação de Local Provável de Infecção (LPI).  Dos 163 casos suspeitos de febre de chikungunya notificados, quatro foram confirmados, todos importados, com residência nos municípios de Florianópolis, Itajaí, Mafra e Turvo e local provável de infecção nos estados do Pará, Espírito Santo e Bahia. Já em relação ao zika vírus, dos 36 casos suspeitos notificados, um caso foi confirmado, com residência no município de Florianópolis e está em investigação do local provável de infecção.

Clique aqui e confira o Boletim Epidemiológico n0 08/2017 na íntegra. 


Topo