“Dia D” de vacinação contra a influenza acontece no sábado em Santa Catarina

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive/SC) informa que, no próximo sábado (12), acontecerá o “Dia D” de vacinação contra a influenza. Durante a ação, os postos de vacinação de todo o estado estarão abertos das 8h às 17h, sem fechar ao meio-dia.

O “Dia D” faz parte da campanha nacional de vacinação contra a gripe. A ação iniciou em 23 de abril e segue até 1º de junho, com a meta de imunizar, pelo menos, 90% dos 1.844.225 catarinenses que compõem os grupos prioritários, público-alvo da campanha.

Até o dia 10 de maio, 173 municípios do estado ainda não atingiram 50% da cobertura, e foram aplicadas 547.102 doses da vacina, o que corresponde a uma cobertura de 40,19% dos grupos prioritários para a vacinação, de acordo com o balanço parcial da 20º Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe, extraído do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização (SIPNI) em Santa Catarina.

Os municípios que fazem parte da regional de Saúde de Concórdia destacaram-se por vacinar 55,07% do público-alvo, seguidos da regional de Araranguá, com 51,16% de cobertura, e da regional de São Miguel do Oeste, com 50,92%. Já os municípios das regionais de saúde de Lages, com 32,97%, e de Florianópolis, com 27,93%, registram a menor cobertura vacinal até o momento.

Além disso, foram aplicadas 130.496 doses da vacina em pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis (respiratórias, cardíacas, renais, hepáticas, neurológicas e diabéticas) e outras condições clínicas especiais (imunossupressão, obesidade, transplantados e portadores de trissomias), o que corresponde a 27,02% dessa população.

 

Grupos prioritários

Recebem a vacina crianças dos 6 meses de idade até os 5 anos (4 anos, 11 meses e 29 dias), gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), pessoas com 60 anos ou mais, profissionais da saúde, indígenas, pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional e professores da rede pública e privada.

“Para reduzirmos ainda mais os casos graves, as hospitalizações e mortes por gripe em Santa Catarina, devemos manter as ações de vigilância e prevenção, buscando alcançar altas taxas de cobertura vacinal nas populações prioritárias.”, alerta a Gerente de Vigilância de Doenças Imunopreveníveis e Imunização da Dive/SC, Vanessa Vieira da Silva.

A vacina está disponível em todas as unidades da rede pública de saúde de Santa Catarina.

 

Perfil Epidemiológico

Em 2018, até o dia 8 de maio, foram notificados 311 casos suspeitos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em Santa Catarina. Desse total, 52 casos foram confirmados para influenza, sendo 25 pelo vírus A(H1N1)pdm09, 19 pelo vírus A(H3N2), 4 estão aguardando subtipagem para a identificação do tipo de vírus Influenza A e 4 pelo vírus Influenza B.

Os municípios que apresentaram casos confirmados pelo vírus Influenza foram: Florianópolis, com 15 casos; Tubarão, com 5 casos; Biguaçu, Itajaí, Joinville, Palhoça e São José, com 3 casos cada; Blumenau, Braço do Norte, Jaraguá do Sul, Santo Amaro da Imperatriz e Tijucas, com 2 casos cada; Brusque, Canelinha, Itapema, Laguna, Lebon Régis, Rodeio e São Miguel do Oeste, com 1 caso cada.

Em Santa Catarina, até 8 de maio, foram confirmados 4 óbitos por influenza, sendo 2 por tipo A(H1N1)pdm09, em São José e Jaraguá do Sul, e 2 por tipo A(H3N2), em Florianópolis.

 

Sobre a gripe

A gripe é uma doença grave causada pelo vírus Influenza, que é transmitido a partir das secreções respiratórias, podendo sobreviver por minutos no ambiente, sobretudo em superfícies tocadas frequentemente. Os sintomas iniciais são febre alta, dor muscular, dor de garganta, dor de cabeça e tosse seca. A febre é o sintoma mais importante e persiste por cerca de 3 dias.

O vírus Influenza possui grande variabilidade de seu material genético, podendo apresentar três tipos e inúmeros subtipos. Os tipos A e B são os que mais causam doenças no ser humano. O Influenza A é subtipado de acordo com as partículas que existem em sua superfície, sendo nominado com as letras H e N (Hemaglutinina e Neuraminidase), por exemplo: H1N1, H3N2, H5N1, H7N9. Todos esses exemplos dados são subtipos distintos do vírus Influenza e podem variar suas características quanto à agressividade. Os vírus Influenza A, que estão circulando com mais intensidade nos últimos anos, são dos subtipos H3N2 e H1N1, que são de linhagens distintas (e não mutações um do outro), e ambos têm o potencial de causar doença grave.

 

Como evitar a gripe?

  •          lave e higienize as mãos com frequência, principalmente antes de consumir qualquer alimento;
  •          ao tossir ou espirrar, proteja o rosto com um lenço ou com o antebraço;
  •          evite tocar as mucosas dos olhos, do nariz e da boca;
  •          higienize as mãos após tossir ou espirrar;
  •          não compartilhe objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
  •          mantenha os ambientes bem ventilados;
  •          evite o contato próximo com pessoas que apresentem os sintomas da gripe.

 

Se você tiver os sintomas da gripe, deve:

  •          procurar imediatamente um serviço de saúde, a fim de buscar tratamento adequado;
  •          após o início do tratamento, evitar sair de casa no período de transmissão da doença (até 7 dias após o início dos sintomas);
  •          evitar aglomerações e ambientes fechados, procurando manter os ambientes ventilados;
  •          adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos.

Topo