DIVE/SC promove evento para debater sobre as diferentes formas de violência

Durante o mês de junho, a Gerência de Vigilância de Doenças e Agravos Crônicos (Gevra), da Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (DIVE/SC), vinculada à Superintendência de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado da Saúde, divulgou dois boletins epidemiológicos com informações referentes às notificações de violências interpessoais e auto-provocadas no estado de Santa Catarina. E no dia 27 de junho, aconteceu o I Simpósio Intersetorial: Enfrentamentos às Violências contra Crianças e Adolescentes, no auditório da UFSC, na capital.

O evento abordou vários tipos de violências e reuniu diferentes áreas de atuação, como educação, saúde e justiça. “Essa troca de conhecimentos e informações nos mostram um horizonte de atuações e contribuem para a atenção multidisciplinar e intersetorial, promovendo as vítimas de violência um atendimento integrado”, explica Maria da Graça Chraim dos Anjos, gerente da Gevra.

Para Vanessa Platt, médica e palestrante do simpósio, é preciso falar sobre o assunto, para desmistificar. “No mundo, de 15 a 20% das meninas e de 5 a 10% dos meninos sofrem abuso sexual. É um número alto. Precisamos estar atentos ao comportamento das crianças. Saber fazer o acolhimento dessas vítimas. Notificar corretamente os casos. Isso vai fazer diferença na realidade dessa criança e dessas famílias”, afirma.

A psicóloga Ludmila Malta, também palestrante, destaca a violência sofrida pelas crianças e pelos adolescentes que estão em situação de vulnerabilidade e de rua. “É uma violência que parece naturalizada na nossa rotina. Só que essa situação vulnerável é uma das principais formas de relações violentas. Sabemos que 70% dessas vítimas sofreram ou sofrem violência doméstica. Por isso, muitas acabam optando por estar nas ruas”, explica.

Outros assuntos de destaque foram: o alto índice de suicídio entre crianças e adolescentes; combate ao trabalho infantil, bullying, ciberbulying e crimes virtuais; e promoção e proteção dos direitos das crianças e adolescentes.

 

 


Topo