DIVE/SC participa de reunião sobre febre amarela em Indaial


Após confirmação da morte de um macaco por febre amarela no município de Indaial, no Vale do Itajaí, representantes da Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (DIVE/SC), vinculada à Superintendência de Vigilância em Saúde (SUV), da Secretaria de Estado da Saúde, estiveram no município para participar de uma reunião nesta segunda-feira (08). O objetivo do encontro foi alinhar as ações de prevenção contra a doença na região.

Estiveram presentes a diretora da Dive/SC, Maria Teresa Agostini, a bióloga da gerência de zoonoses, Renata Gatti, o secretário Municipal de Saúde, Alexandre Manoel Dalabrida e a técnica da Vigilância Municipal de Indaial, Sabrina de Vargas Souza.

O laudo, que confirmou a morte do macaco por febre amarela, foi liberado no dia 05 de julho pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) do Paraná, referência para Santa Catarina. O macaco era da espécie bugio e morreu no dia 31 de maio. "A partir disso, em um raio de 300 metros do local do óbito do animal, é necessário realizar uma busca ativa de pessoas não vacinadas e vestígio de morte e adoecimento de outros macacos na região", explica Renata Gatti.

O secretário de Saúde do município, Alexandre Manoel Dalabrida, afirmou, durante a reunião, que os trabalhos tiveram início assim que o óbito do macaco por febre amarela foi confirmado. "Nossas equipes já percorreram o raio delimitado para as ações de vigilância. Ao total, 280 casas foram visitadas e mais de 70 pessoas receberam a dose da vacina", explica.

Maria Teresa Agostini salienta que mais essa morte de macaco por febre amarela no estado serve de alerta para todos os municípios. "O macaco é nosso sentinela. Ele nos avisa sobre a presença do vírus. E isso reforça, que quem ainda não se imunizou, precisa procurar um posto de saúde o quanto antes", destaca a diretora.


Comissão de Intergestores Regionais


O secretário de saúde de Indaial participará da reunião da Comissão de Intergestores Regionais (CIR), que vai acontecer em Blumenau na próxima quarta, dia 10 de julho, para destacar as ações do município e reforçar a importância de incentivar a vacinação da população. Além da parceria com as escolas para conscientização de crianças e adolescentes, parceria com indústrias da região, uso de carro som para percorrer bairros chamando a população para vacinação, e a ampliação do horário de atendimento nos quatro maiores postos de saúde da cidade.


Vacinação


A febre amarela é uma doença grave, transmitida por mosquitos em áreas de matas e urbana. A única forma de se proteger é através da vacinação. Todos os moradores de Santa Catarina, com mais de 9 meses de idade e que ainda não foram vacinados, devem procurar uma unidade de saúde para se imunizar contra a doença. Uma única dose é suficiente para proteger por toda a vida. No Estado, até o momento, a cobertura vacinal está em 74%. O ideal é vacinar, ao menos, 95% da população dentro do público-alvo.

Santa Catarina se tornou Área com Recomendação de Vacinação contra a febre amarela (ACRV) no segundo semestre de 2018. O município de Indaial estava no cronograma de ampliação do mês de outubro do ano passado. Além disso, foi realizada uma campanha de vacinação em todo o estado entre os meses de março a abril.


Febre amarela em SC

No dia 28 de março de 2019, Santa Catarina já havia confirmado o primeiro caso de febre amarela autóctone (contraída dentro do estado) em humano, com morte. O paciente era um homem, de 36 anos, que não havia se vacinado. Ele morava em Joinville, no Norte do Estado.

No começo de abril, a Dive/SC também confirmou a primeira morte de macaco por febre amarela no estado. O macaco (bugio) foi encontrado morto no dia 20 de março em uma área de mata no município de Garuva, no Norte do estado. Já o registro do segundo macaco morto pela doença aconteceu em junho, em Pirabeiraba, em Joinville.

 


Topo